Ano 3 - nº 9 - fevereiro/maio de 2011

MAIS DE SESSENTA ANOS DE AVENTURAS



Até mesmo nas páginas de uma revista em quadrinhos pode nascer uma lenda. Não acredita nisso? Então, experiente revisitar junto conosco a pequena grande história de Tex Willer, um homem do Oeste que fez a sua primeira (...) aparição no primeiro número de Collana del Tex, uma revista em formato talão de cheques (uma tira por página). Era o dia 30 de setembro de 1948, quando, na primeira página da aventura “O Totem Misterioso” (“Il Totem Misterioso”), os leitores viram despontar, “em uma das gargantas selvagens do Rainbow Canyon”, um jovem cowboy de camisa franjada, de jeito desembaraçado e sangue quente, com algumas contas pendentes com a Justiça...
Em mais de meio século de existência, Tex impôs-se como um dos mais amados personagens das histórias em quadrinhos italianas, (...) lido por milhões de fãs, analisado com simpatia por professores universitários, sociólogos, jornalistas, historiadores de comportamento e costumes. Mérito das suas aventuras, construídas respeitando a mais clássica estrutura da Literatura de Western (...). Mérito também de seus criadores: o roteirista Giovanni Luigi Bonelli (1908-2001), que soube exprimir, nas suas tramas, uma verve narrativa digna de romancistas como Zane Grey ou de diretores como John Ford; e Aurelio Galleppini (1917-1994), o desenhista que, por que quase quarenta anos (1948-1994), dedicou todo o seu talento a ilustrar as histórias de Tex.
Para transformar Tex naquilo que hoje se definiria um personagem cult contribuíram igualmente o afeto e a fidelidade dos seus leitores, acostumados a acompanhar, todos os meses, na revista Tex (publicada com carinho, aqui no Brasil, pela Mythos Editora), as aventuras deste ranger de alma leal, inimigo jurado de toda forma de prepotência e de  qualquer preconceito.

 

Este texto foi transcrito, com algumas modificações, do primeiro número de Almanaque Tex (São Paulo, Mythos, março de 2000)