Ano 2 - nº 8 - outubro de 2010/janeiro de 2011

A TERRA
P. Commelin



A Terra, mãe universal de todos os seres, nasceu imediatamente depois do Caos. Desposou Urano, no Céu; foi mãe dos deuses e dos gigantes, dos bens e dos males, das virtudes e dos vícios. Dizia-se também ter desposado o Tártaro e o Ponto, ou seja, o Mar, por onde produziu os monstros que todos os elementos encerram. Algumas vezes, a Terra é tomada no sentido da Natureza. Tem diversos nomes: Titea ou Titéia, Ops, Tellus, Vesta e Cibele.
O homem nasceu da Terra, embebida de água e aquecida pelos raios do sol. Assim, todos os elementos participam de sua formação e, quando morre, é amortalhado pela sua venerável mãe, que o guarda em seu seio. A Mitologia alude amiúde aos filhos da Terra; em geral, quando se desconhece a origem de um homem ou de um povo (...), dá-se-lhe o nome de filho da Terra.
A Terra é representada algumas vezes por uma figura de mulher, sentada em uma rocha; os modernos a simbolizam mediante os traços de uma matrona venerável sentada em um globo e que, coroada de torres, tem uma cornucópia cheia de frutos.

 

Este texto foi transcrito do livro Mitologia Greco-Romana (tradução de Oliveira Rodrigues, Salvador, Livraria Progresso Editora, 1957, pp. 15-16), de P. Commelin