Ano 2 - nº 7 - Julho/Setembro de 2010


O FILME DO MÊS:

Uma tocante história de amor






artigo de João Rodolfo Franzoni

O QUE DISSERAM SOBRE A MULHER - PARTE 2

Jean-Paul Sartre: Gosto da sensibilidade feminina, da sua maneira de ser. Uma mulher vê sempre melhor as coisas e as pessoas.
Schopenhauer: Nos momentos difíceis não se deve desdenhar o hábito de recorrer, como os antigos germanos em outras épocas faziam, aos conselhos das mulheres, porque elas têm uma forma de conceber as coisas completamente diferente da nossa. Vão diretamente ao fim, pelo caminho mais curto, pois, em geral, seus olhares se detêm no que está à mão.
Carolina Ferraz: Existe nas mulheres um sentido de sobrevivência muito mais aguçado que nos homens.
T. G. Novais: As mulheres são mais instintivas.
Honoré de Balzac: O instinto das mulheres equivale à perspicácia dos grandes homens.
Rabelais: Neste assunto sou radical: a pior das mulheres é sempre melhor do que o mais sábio dos homens.
Alexandre Dumas: As mulheres são impressionantes: ou não pensam em nada, ou pensam em outra coisa.
Humphrey Bogart: (As mulheres) são simplesmente enfadonhas.
Aristóteles: (...) quando a natureza erra na fabricação de um homem, nasce uma mulher.
Strindberg: A mulher é o que resta do macaco em nós.
Victor Hugo: Dizem que a mulher é o sexo fraco. Paradoxalmente dizem também que ela é um diabo. Concordo com a segunda afirmação. Só que ela é muito mais aperfeiçoada e deliciosa.
Sacha Guitry: A mulher! Maravilha das maravilhas. Quando criança é adorável; quando moça, nos fascina; quando se torna mulher, nos transforma; como esposa é encantadora; em seu papel de mãe, comovedora; e, ao perder sua juventude, transforma-se numa dessas esquisitas e complacentes senhoras em que o homem descobre novamente a sedução da juventude e, às vezes, o frescor da infância. Assim vejo eu a mulher e amo-a por isso.
Salomão: A mulher é a ânfora de flancos perfeitos, que contém toda a delícia da existência.
Ambrose Bierce: Animal afeito a viver na proximidade do homem e que tem uma suscetibilidade rudimentar para a domesticação. Atribuem-lhe velhos zoólogos certos resquícios de docilidade adquirida num primitivo estado de isolamento; outros naturalistas, desconhecendo esse fato, negam essa virtude e declaram que o sexo feminino permanece tal qual era na aurora da criação. É a espécie de animais rapaces mais amplamente espalhada; infesta a totalidade das partes habitáveis do globo, desde as montanhas nevadas da Groenlândia até a virtuosa costa da Índia.
Picasso: Só há duas espécies de mulheres: deusas e capachos.
Brigitte Bardot: Existem mulheres que sonham em ser apenas escravas dos homens. Deixem-nas em paz: isto também é liberdade.
Noel Coward: As mulheres deviam apanhar regularmente, como gongos.
Humphrey Bogart: As mulheres são muito simples. Nunca conheci uma que não entendesse um tapa na boca.
Nelson Rodrigues: Toda mulher gosta de apanhar. Menos a neurótica.
Danielle Winits: Toda mulher deveria ser tratada como uma flor, senão as pétalas caem! Toda mulher gosta de ser bem tratada.
Charles Bukowski: Eu digo à mulher que seu rosto é uma grande experiência para mim e que suas mãos são a minha alma – enfim, digo qualquer coisa para ela abaixar as calcinhas.
Jorge Guinle: Só as mulheres são importantes. Sempre tive respeito por elas e as pus num pedestal.
Robert E. Howard: Tenho o mais profundo respeito pelo sexo feminino.
José de Alencar: A mulher é símbolo de ternura e amor.
Homero: A mulher é o amor.
Charles Aznavour: A melhor coisa de uma mulher não é o seu amor, muito menos seu corpo. É a convulsão que ela nos dá. Sem esta convulsão, o mundo seria muito mais chato do que é.
Oscar Wilde: A única maneira de um homem se comportar com uma mulher é fazendo amor com ela, se ela for bonita – ou com outra, se for feia.
Ugo Tognazzi: (...) as mulheres (...) devem ser amadas uma de cada vez.
Oscar Wilde: Uma mulher flertará com qualquer pessoa no mundo, desde que haja alguém olhando.
Charles Chaplin: Amo as mulheres, mas não as admiro.
Alberto Moravia: Adoro as mulheres, elas são a própria vida.
Serge Gainsbourg: Se eu fosse um príncipe das Arábias e tivesse setenta mulheres, desejaria a septuagésima primeira.
Stanislaw Ponte Preta: A mulher ideal é sempre a dos outros.
Alfred Hitchchock: Creio (...) que sei que tipo de mulher é mais fascinante; e, portanto, o mais feminino, para os homens. Não falo do tipo de mulher em que os homens tendem a ficar de olhos cravados estupidamente na rua. Todos já vimos mulheres que exageram seus atributos físicos a tal ponto que não podem passar despercebidas. Os homens podem parar e (...) podem até demonstrar um vívido interesse em conhecê-las. Mas um homem que consegue esse tipo de encontro pode se desapontar ao perceber que sua nova amiga tem muito pouco mistério a ser desvendado, depois que já sabe seu nome. Quanto a mim, prefiro uma mulher que não ponha à mostra todo o seu sexo de uma vez só – alguém cujas atrações não estejam saltando à sua frente. Gosto de mulheres que também sejam damas, que reservem o suficiente de si mesmas para manter um homem intrigado.
Paolo Eleuteri Serpieri: Drunna é o tipo de mulher que eu gosto (...). Ela não é uma santa. Ela gosta de sexo e não identifica isso como pecado. Ela sabe que puritanismo e corrupção existem neste mundo cheio de preconceitos...
Picasso: Para mim, há dois tipos de mulher: a que domina e a que é dominada. Gosto de ambos, mas prefiro o último.
Schopenhauer: (...) a mulher é destinada a obedecer.
Marx: A opressão do homem pelo homem começou com a opressão da mulher pelo homem.
Virginia Woolf: Por que as mulheres são muito mais interessantes para os homens do que para as mulheres?
Monique Evans: Não confio nas mulheres. Sempre me invejaram. Mulher já nasce competindo.
Jenna Jameson: As pessoas sempre dizem que o mundo seria muito melhor se fosse dominado pelas mulheres. Só que as mulheres têm tantos defeitos quanto os homens. São apenas defeitos diferentes. Então, a verdade é a seguinte: o mundo não seria melhor se fosse controlado por uma mulher, seria melhor se fosse controlado pela mulher certa. Sempre que os homens brigam ou disputam um racha, estão apenas se esforçando para provar sua masculinidade e seu orgulho. As mulheres não compartimentam as coisas da mesma maneira, não dividem o mundo nas mesmas categorias. Nossas ações são o reflexo completo da nossa própria identidade, do nosso mérito, do nosso valor. Por isso, a pior característica da nossa espécie é que uma mulher vê, em qualquer outra mulher atraente, uma ameaça, uma rival.
Lord Byron: As mulheres deveriam ocupar-se de seus afazeres caseiros, Dever-se-ia alimentá-las e vesti-las bem, mas não as deixar intrometer-se na sociedade. Do mesmo modo, deveriam receber instrução religiosa, porém ignorar a poesia e a política, e não ler senão livros devotos e de culinária.
Lenin: A condição da mulher, ocupada em trabalhos do lar, é sempre penosa. Para que ela seja completamente libertada e realmente posta em plano de igualdade com o homem, é preciso que os trabalhos do lar se tornem obra pública e que ela participe da produção geral. Então ela ocupará a mesma posição do homem.

QUEM É QUEM

Alberto Moravia (1907-1990) – escritor italiano
Alexandre Dumas (1803-1870) – escritor francês
Alfred Hitchcock (1899-1980) – cineasta inglês
Ambrose Bierce (1842-1914) – escritor norte-americano
Aristóteles (384-322 a.C.) – filósofo grego
Brigitte Bardot – atriz francesa
Carolina Ferraz – modelo e atriz brasileira
Charlez Aznavour – cantor, compositor e ator francês
Charles Bukowski (1920-1994) – escritor norte-americano de origem alemã
Charles Chaplin (Charles Spencer Chaplin, 1889-1977) – cineasta e ator inglês
Danielle Winitz – atriz brasileira
Homero – poeta épico grego que viveu por volta de 850 a.C.
Honoré de Balzac (1799-1850) – escritor francês
Humphrey Bogart (1899-1957) – ator norte-americano
Jean-Paul Sartre (1905-1980) – escritor, filósofo e dramaturgo francês
Jenna Jameson (pseudônimo de Jenna Massoli) – atriz pornô norte-americana
Jorge Guinle (1917-2004) – playboy brasileiro
José de Alencar (José Martiniano de Alencar, 1829-1877) – escritor brasileiro
Lenin (Vladimir Lenin, 1870-1924) – estadista russo
Lord Byron (George Gordon Byron, 1788-1824) – poeta inglês
Marx (Karl Marx, 1818-1883) – filósofo e economista judeu alemão
Monique Evans – modelo e atriz brasileira
Nelson Rodrigues (1912-1980) – escritor, jornalista e dramaturgo brasileiro
Noel Coward (1899-1973) – ator, cantor, compositor e dramaturgo inglês
Oscar Wilde (Oscar Fingal O’Flahertie Wills, 1854-1900) – escritor inglês
Paolo Eleuteri Serpieri – quadrinhista italiano, criador da personagem Drunna
Picasso (Pablo Ruiz Blasco Picasso, 1881-1973) – pintor e escritor espanhol
Rabelais (François Rabelais, 1494-1533) - médico, monge beneditino e escritor francês
Robert E. Howard (Robert Erwin Howard, 1906-1936) – escritor norte-americano
Sacha Guitry (1885-1957) – teatrólogo e cineasta francês
Salomão – filho e sucessor de Davi e rei de Israel de 970 a 931 a.C.
Schopenhauer (Arthur Schopenhauer, 1788-1860) – filósofo alemão
Serge Gainsbourg (Lucien Ginsburg, 1928-1991) – compositor, cantor, ator e cineasta francês
Stanislaw Ponte Preta (pseudônimo de Sérgio Porto, 1923-1968) – jornalista, escritor e humorista brasileiro
Strindberg (August Strindberg, 1849-1912) – escritor e dramaturgo sueco
T. G. Novais (1927-2008) – jornalista, escritor e tradutor nascido no Brasil
Ugo Tognazzi (1922-1990) – ator italiano
Victor Hugo (1802-1885) – escritor francês
Virginia Woolf (1882-1941) – escritora inglesa

EM BREVE: NÚMERO ESPECIAL SOBRE O WESTERN

UM FILME,
UMA CRÍTICA

por Eurico da Costa

DESAFIO À CORRUPÇÃO


É caso para se perguntar como é que das mãos de um cineasta rotineiro como Robert Rossen pôde sair um filme que é um grito de inconformismo e audácia...
O HOMEM DE KIEV E O CINE VITÓRIA
por Aurélio P. Cardoso
O CINEMA EM MINHA VIDA
por Denise de Oliveira Veneziano
COMO ME INTERESSEI POR CINEMA
por Sílvio C. Pereira
GENTE QUE FAZ CINEMA  
JULIANNE MOORE
UMA ATRIZ INCANSÁVEL E GARANTIA DE INTENSIDADE EM CENA - PARTE 2

por João Rodolfo Franzoni

CYD CHARISSE, NASCIDA PARA DANÇAR E ENCANTAR
por Divino Rodrigues da Silva

UMA RAINHA CHAMADA CYD CHARISSE
por Danny Miller
A DIVINA CYD CHARISSE
por Marco Aurélio Lucchetti
 
SUPLEMENTO
MINHAS RECORDAÇÕES DO PRÍNCIPE VALENTE
artigo de Marco Aurélio Lucchetti
SOB O DOMÍNIO DE EROS - O EROTISMO NOS QUADRINHOS - PARTE 3 (FINAL)
artigo de Marco Aurélio Lucchetti
CHICAGO
um poema de Carl Sandburg
SE...
um poema de Rudyard Kipling
DISCURSO DE GETTYSBURG
por Abraham Lincoln
A CARREIRA CRIMINOSA DE JIM
um conto de Mark Twain
MEU NOME É JOÃO...
um conto de Marco Aurélio Lucchetti
GRAHAM GREENE
por Otto Maria Carpeaux