Ano 2 - nº 6 - março/junho de 2010
LÁBIOS DE SANGUE
Jean Rollin
tradução e versão: Marco Aurélio Lucchetti



Durante uma festa, Frédéric, um jovem e dinâmico publicitário, vê, num pôster, um castelo em ruínas, que lhe traz estranhas lembranças de sua infância.
Em seguida, a figura branca de uma linda garota vem à mente de Frédéric. E, certa noite, na escuridão de um cinema, ela lhe aparece como um fantasma.
A garota é real? Ou é apenas uma alucinação?
Frédéric segue-a, persegue-a, busca-a sem parar, guiado por suas aparições nos lugares mais inesperados. E essa perseguição acaba levando-o ao cemitério de Montmartre. Ali, a garota o conduz até onde estão diversos ataúdes. Movido por uma estranha obsessão (ou seria simples curiosidade?), ele abre um deles... Então, sem querer, liberta um grupo de demônios, um grupo de mulheres com lábios de sangue, um grupo de vampiresas, que irá percorrer Paris e disseminar morte e destruição.
Frédéric consegue fugir e perambula pelas ruas, convencido de que a jovem existe realmente. Ele pressente que ela está prisioneira em algum lugar maléfico e passa a procurar o castelo, imaginando que encontrará lá uma resposta para todo o mistério.
Nessa busca, a imagem da garota aparece a todo momento; ora guiando-o na direção certa, ora guiando-o na direção errada.
Frédéric consegue, enfim, encontrar o castelo e logo descobre um jazigo no qual está o caixão da jovem.
Ele não está sozinho ali. Há também um grupo de pessoas. Uma dessas pessoas é a mãe da garota, que conta para Frédéric a respeito da maldição que assola sua família. Além disso, ela revela que só há uma forma de pôr um fim na maldição: matar sua filha, cujo nome é Jennifer.
Frédéric decide exterminar as vampiresas. Todas elas! Mas o amor fala mais alto; e uma delas, Jennifer, é poupada...

 

Este texto é, na verdade, a sinopse do filme Lèvres de Sang