Ano 2 - nº 5 - dezembro de 2009/fevereiro de 2010

O HARD–BOILED, O FILME NOIR E OS QUADRINHOS
Marco Aurélio Lucchetti



Um subgênero da Literatura de Detetive & Mistério, o Hard-Boiled (1) propagou-se do início dos anos 1920 até meados da década de 1950, por meio de revistas Pulp (2) como Black Mask (3) e das narrativas dos escritores norte-americanos Raymond Chandler (1888-1959), James M. Cain (1892-1977), Dashiell Hammett (1894-1961), Jim Thompson (1906-1977), David Goodis (1917-1967) e, entre outros, Mickey Spillane (1918-2006), e foi assim definido pelo crítico e pesquisador espanhol Javier Coma:

     
   
 

“Denominação que poderia ser traduzida por ‘duro e em ebulição’, aludindo a características da vida dos anos vinte, que se empregou para a nova tendência da novela criminal da época, por seu culto à violência, ao sarcasmo e ao ritmo trepidante da ação, e que se estendeu à correspondente escola originadora da novela negra, aos escritores e aos protagonistas (fundamentalmente detetives particulares) desse tipo de ficção.
De certo modo, o
Hard-Boiled consistiu na aplicação do Western à grande cidade norte-americana deste século, trocando o espaço horizontal pelo vertical, o cavalo pelo automóvel, os xerifes pela polícia, os bandidos pelos gangsters, e renovando os rituais e a mítica da narrativa do Oeste. Mas a corrupção policial e administrativa dos Happy Twenties estabeleceu um fato diferencial transcendente, manifestado nas frentes progressistas dos melhores escritores hard-boiled.” (4)

No cinema, o Hard-Boiled teve um correspondente: o Filme Noir, que, de acordo com o cineasta estadunidense Paul Schrader, é

   
 

“um período específico da História do Cinema, como o Expressionismo Alemão ou a Nouvelle Vague Francesa. Em geral, o Filme Noir refere-se àquelas películas hollywoodianas dos anos quarenta e começo dos cinqüenta que descreviam o mundo de trevas, crime e corrupção das ruas sujas da cidade. O Filme Noir é uma fase de manejo extremamente difícil. Alude a muitos períodos anteriores: os filmes de gangster da Warner da década de trinta; o ‘realismo poético’ francês de Marcel Carné e Julien Duvivier; os melodramas de Josef von Sternberg; e, ainda mais distantes, os filmes de crime do Expressionismo Alemão (o ciclo Mabuse, de Fritz Lang). O primeiro Filme Noir foi Relíquia Macabra (1941) e o último, A Marca da Maldade (1958); e a maioria dos dramas produzidos em Hollywood entre 1941 e 1953 contém alguns elementos noir. Há também frutos estrangeiros de Filme Noir, tais como O Terceiro Homem, Acossado e Técnica de um Delator.” (5)

     
 

Deve ser ressaltado que as principais características do Filme Noir são as mesmas do Hard-Boiled: o detetive cínico, frio, violento e possuidor de uma ética própria (às vezes, ele chega a ocultar atos criminosos, a fim de não prejudicar pessoas, segundo seu conceito, dignas e honestas); a femme fatale, uma mulher extremamente bela, charmosa e sedutora, que sabe empregar sua beleza, seu charme e seu poder de sedução para conseguir tudo o que deseja (habitualmente, o que ela quer é dinheiro ou alcançar uma posição social mais elevada, mesmo que para isso tenha de matar, por exemplo, o marido); o policial quase sempre corrupto e, em algumas ocasiões, assassino; o caráter ambíguo dos personagens, ou seja, no Hard-Boiled e no Filme Noir não há personagens inocentes, nem a clássica divisão entre mocinhos e bandidos, uma vez que todos querem tirar o melhor proveito da situação; a trama confusa, complexa e cheia de reviravoltas; os ambientes estritamente urbanos, havendo uma preferência por becos, ruas escuras e um tanto degradadas, galpões, bares, clubes noturnos e recintos pouco iluminados; o ritmo frenético da ação, com a violência permeando a narrativa toda; os diálogos incisivos, irônicos e sem qualquer poesia e sutileza; e o ceticismo e o pessimismo dos personagens.
Entretanto, essas características não ficaram restritas ao Hard-Boiled e ao Filme Noir. Estão presentes também em algumas histórias em quadrinhos de Detetive & Mistério e de Aventura: Secret Agent X-9 (Agente Secreto X-9 ou Agente Secreto ou Bill, O Detective Secreto), escrita por Dashiell Hammett e desenhada por Alex Raymond (1909-1956);

 
 
 

Terry and the Pirates (Terry e os Piratas), de Milton Caniff (1907-1988); The Spirit (The Spirit ou Spirit ou O Espírito), de Will Eisner (1917-2005); Johnny Hazard (Johnny Hazard ou Bill Tempestade ou Tony Corisco), de Frank Robbins (1917-1994); Vic Flint (Vic Flint), de Ralph Lane;



 
   
 

Rip Kirby (Nick Holmes), de Alex Raymond; Steve Canyon (Steve Canyon ou Ted Ciclone ou Dan Devil), de Milton Caniff; Mike Hammer, desenhada por Ed Robbins e baseada nos personagens criados nos livros de Mickey Spillane; Alack Sinner, de Carlos Sampayo (roteiros) & José Muñoz (desenhos); Harry Chase, de Claude Moliterni (roteiros) & Walter Fahrer (desenhos); e, entre outras, Le Inchieste di Sam Pezzo (As Investigações de Sam Pezzo), de Vittorio Giardino.

   
   


NOTAS:

(1) O Hard-Boiled, que ficou conhecido no Brasil como Máscara Negra, nasceu no número de dezembro de 1922 da revista Black Mask, com a publicação do conto “The False Burton Combs”, de Carroll John Daly (1889-1958).

(2) Muito popularizadas nos Estados Unidos entre a década de 1920 e a de 1940, as revistas Pulp eram impressas em papel áspero e de baixa qualidade; apresentavam capas chamativas; e publicavam contos e novelas de diversos gêneros (Amor, Aventura, Detetive & Mistério, Ficção Científica e Horror, entre outros).

   
 

(3) Publicada entre 1920 e o início dos anos 1950, Black Mask foi fundada por dois renomados intelectuais estadunidenses, H. L. Mencken (1880-1956) e George Jean Nathan (1882-1958), e atingiu seu apogeu entre 1926 e 1936, quando teve como editor Joseph T. Shaw (1874-1952).

(4) Javier Coma, Diccionario de la Novela Negra Norteamericana, Barcelona, Anagrama, 1986, p. 101.

(5) Paul Schrader, “Notes on Film Noir”, in David Denby (organizador), Awake in the Dark, Nova York, Vintage Books, maio de 1977, p. 279.