Ano 1 - nº 3 - maio/julho de 2009

ROSAS DE SANGUE



Rosas de Sangue (Et Mourir de Plaisir) baseia-se num conto terrorífico de Sheridan Le Fanu, o mesmo autor a quem, em 1930-1931, o dinamarquês Carl Dreyer recorreu ao realizar Vampyr L’Étrange Aventure de David Gray, um dos mais elogiados e legendários (mesmo porque dos mais desconhecidos) “filmes malditos” da História do Cinema.
Como Vampyr, Rosas de Sangue é uma história de vampirismo feminino. As semelhanças, porém, terminam aí, mesmo porque não é possível traçar paralelos entre a hedionda vampiresa, o conflito, as intenções e a procura do clima de horror daquela fita de Dreyer e a personagem de Carmilla-Millarca (agora vivida por uma belíssima Annette Vadim), os requintes de plasticidade e a fluida atmosfera de irrealidade, que foram os objetivos colimados por esta fita de Vadim.
Além da plasticidade, do tom requintado, dos extraordinários cuidados de cenografia, indumentária, fotografia e colorido, Rosas de Sangue não define bem o caso e os intuitos de Carmilla-Millarca no tocante aos ciúmes que a vampiresa pode ter do primo Leopoldo (Mel Ferrer) e o interesse que ela demonstra pela sua rival, Georgia (Elsa Martinelli), a noiva do rapaz.
A indefinição aumenta a deliqüescência, a estranheza do relato, diminuindo mesmo suas possibilidades quanto à total consecução de um clima de terror. Isto significará, porém, frustração? É verdade que Vadim é bem menos um narrador poderoso do que um cultor do

esteticismo. Mas não será justamente isso o que procurou neste filme?
De qualquer maneira, e ainda que lhe possa ser imputado o fato de nada dizer ou nada acrescentar no que se refere à pesquisa ou ao retrato da condição ou dos anseios humanos, Rosas de Sangue é, indubitavelmente, um filme fascinante, talvez o melhor de Roger Vadim.

 

Esta crítica foi publicada originalmente no jornal O Estado de S. Paulo, no início da década de 1960

 

Rosas de Sangue (1960, 87')
Direção: Roger Vadim
Roteiro: Claude Brûlé, Claude Martin, Roger Vailland & Roger Vadim, baseando-se no romance Carmilla, de Joseph Sheridan Le Fanu
Fotografia: Claude Renoir
Elenco: Mel Ferrer (Leopoldo), Elsa Martinelli (Georgia), Annette Vadim (Carmilla), René-Jacques Chauffard (dr. Verari), Marc Allégret (juiz Monteverdi), Alberto Bonucci (Carlo), Serge Marquand (Giuseppe), Gabriella Farinon (Lisa), Nathalie LeForêt (Marie)