Ano 6 - nº 19 - maio/agosto de 2014

PULCRA
A SINFONIA DA MULHER

Rubens Francisco Lucchetti



E Deus criou a mulher...
Devagar, Ele modelou
– com as linhas sinuosas e ondulantes
das águas cantantes
dos rios, das cascatas e dos mares –
sua carne amanhecente
de adolescente.




Em sua pele fresca e cetinosa
– como se fosse
fruta madura, sumarenta e saborosa –,
espalhou certa essência misteriosa,
composta de volúpia e desejos.



E a este ser
– o mais lindo animal
que habita a Terra –
de beleza estranha e
graça sem par
concedeu a luz do céu
e o movimento do mar
toda a ardência do deserto
e toda a vida que a Natureza
no seio fecundo encerra.




Seio de curvas audazes,
como quilhas de veleiros,
pondo desejo de viagem
– a mares desconhecidos –
em milhões de marinheiros.



Quando o lindo busto arqueia,
há no gesto que se espraia,
volúpia da água na areia
– na areia encantada
da praia da Ilha das Fadas.




Cabeleira desgrenhada
pelos ventos das paixões,
qual cordame de navio
cingindo corações.




Olhos claros de miragem,
com acenos de palmeiras:
saudades de terna viagem
nas carícias derradeiras.




O fascinante sorriso,
em sua boca formosa,
é como gota de orvalho
na pétala duma rosa.



Tem o calor da vida
e o mistério do filtro do amor,
que flui do mistério da alma.




Terra e Céu se misturam
no êxtase de seu corpo.



Seu corpo...
com curvas moles de duna:
uma luz no deserto
onde busca amor incerto
o bravo soldado da fortuna.



É a verdadeira beleza,
que nasce e renasce
das águas das lendas,
pronta para amar e
dar amor sem tédio algum.



É uma deusa única
que sabe abrigar
o fascínio feminino
e despertar a malícia da serpente.




É uma Vênus de carne
que exsurge
dum mar de espumas e rendas,
para espalhar no mundo
beleza e encanto.

 

Rubens Francisco Lucchetti é ficcionista e roteirista de Cinema e Quadrinhos