Ano 5 - nº 17 - setembro/dezembro de 2013

"PELA PRIMEIRA VEZ, ELES SENTIAM QUE ESTAVAM SENDO DIRIGIDOS"
Olivier-René Veillon



O Diabo a Quatro é tão singular na obra dos Irmãos Marx quanto na do diretor Leo McCarey. Pela primeira vez, os quatro irmãos eram realmente dirigidos ou, pelo menos, sentiam que estavam sendo dirigidos – o que não ocorria sem sofrimento –, enquanto McCarey não estava totalmente convencido de os estar dirigindo. (...) O Diabo a Quatro parece construído sobre um formidável jogo de forças sob cuja tensão a ficção progride no ritmo de um motor a explosão. Mais do que em todos os seus outros filmes, a energia cômica dos Irmãos Marx, apesar de difusa e desigual, com cada um dos irmãos trabalhando num “nível” particular, é constantemente retomada e transferida para o ritmo global (...)



Este texto foi transcrito do livro O Cinema Americano dos Anos Trinta (Le Cinéma Américain – Les Années Trente, tradução de Marina Appenzeller, São Paulo, Martins Fontes, 1992, p. 170), de Olivier-René Veillon