Ano 4 - nº 13 - junho/setembro de 2012

O REPASTO
E. S. Turner
tradução e versão: T. G. Novais



Os uivos foram se sucedendo rapidamente. Os lençóis foram caindo ao lado da cama. Ela foi arrastada pelos longos cabelos de seda; seus belos braços e pernas estremeciam, na agonia de sua alma. Os horríveis olhos vítreos do monstro percorreram as suas formas divinas com uma satisfação asquerosa – horrível profanação! Ele arrastou sua cabeça para a beira da cama, forçou-a para trás, puxando-lhe os cabelos em que suas mãos mergulharam. De repente, lançou-se sobre ela e cravou em seu pescoço as presas. Ouviu-se, então, o horripilante ruído de sugar. A moça desmaiou, e o vampiro começou o horrível repasto.