Ano 4 - nº 13 - junho/setembro de 2012

"EU SOU UMA ESPÉCIE DE TOM JONES DE SAIAS"



Moll Flanders, personagem criada por Daniel Defoe, o autor de Robinson Crusoe, é uma aldeã do século 18, que, tornando-se criada, passa também a ser a tentação dos senhores em cujas casas trabalha. Tendo lido a sua história aventureira, na versão italiana do livro (The Fortunes and Misfortunes of the Famous Moll Flanders), o produtor Carlo Ponti sentiu-se tentado em transformá-la num filme, logo cogitando Sophia Loren para interpretar a personagem. Ponderando melhor sobre o tema, desistiu da idéia: o filme seria muito picante, tanto para a censura, como para sua esposa.
Com o sucesso mundial do filme Tom Jones, os produtores começaram a procurar histórias do mesmo gênero. Então, o diretor Terence Young e o produtor Marcel Hellman reencontraram ocasionalmente o velho livro de Defoe. Resolvidos a levá-lo para a tela, pensaram primeiramente em Diane Cilento, que fizera o papel de criada em Tom Jones. Mas compromissos com outro produtores impediram sua contratação.
Os convites se sucediam; e as atrizes, às vezes envergonhadas, recusavam. Já descrentes de encontrarem a sua Moll, os produtores surpreenderam-se, ao escutarem uma famosa atriz afirmando:
– Para ser franca, eu sou uma espécie de Tom Jones de saias, tanto na minha vida, como nos meus papéis.
Com esta declaração, Kim Novak conseguiu o papel de Moll Flanders. Voou para Londres e “ganhou” trinta luxuosos vestidos com decotes extremamente reveladores, que iriam arregalar os olhos da Condessa Massereene, que alugou o seu velho castelo para as filmagens e observava (de uma janela distante) as filmagens. E a cena em que Moll banha-se nua num lago tranqüilo ocasionou uma onda de agitação entre os moradores curiosos da pacata região, nos arredores de Londres.
A história vivida por Kim é a de uma jovem de grande beleza, numa época de misérias. Órfã e com grandes ambições de riquezas, Moll Flanders aprendeu um caminho em que teria fáceis triunfos, ainda que esse caminho quase a levasse à forca. Mas o que não lhe faltava eram protetores.
O elenco do filme é composto essencialmente de homens que se perderam em amores por Moll. George Sanders é um banqueiro fascinado pela sensual criada e tem desejos de investir nela mais que dinheiro. Cecil Parker é um benevolente prefeito, empenhado em realizar melhoramentos para Moll. Daniel Massey, filho mais velho do prefeito, promete casar-se com Moll, se ela aceitar primeiro sua outra proposta. Darren Nesbitt é o filho mais jovem do prefeito e faz de Moll uma mulher honesta, mas não por muito tempo. E Richard Johnson, um jovem astro dos palcos britânicos, tem sua primeira oportunidade cinematográfica, fazendo Jemmy, um homem pobre por quem Moll se apaixona irremediavelmente.
Entre as inimigas de Kim, destacam-se Angela Lansbury, como lady Blystone, uma mulher bondosa, esposa de George Sanders, cuja vida volúvel leva-a ao desespero e à ruína. E Lilli Palmer é Dutchy, uma mulher maligna, com atração por homens simpáticos e empenhada em destruir a sua concorrente, Moll Flanders. Mas esta consegue sair-se bem de todas as situações perigosas, como um verdadeiro Don Juan.

 

Este texto foi transcrito do número 290 da revista Cinelândia (Rio de Janeiro, Rio Gráfica, 1ª quinzena de dezembro de 1964, pp. 30 e 32)