Ano 3 - nº 11 - outubro de 2011/janeiro de 2012

ONDE ESTÁ BLONDIE?
(roteiro para uma história em quadrinhos)
Rubens Francisco Lucchetti
ilustração: Alberto Vargas



SEGUNDA PARTE

Q. 1 – Armando Bertoni falando com o microfone na mão, no interior de helicóptero da TV MUNDO (o mesmo dos Q. 168 e 169 da PRIMEIRA PARTE).
ARMANDO – Neste momento, a polícia está se dirigindo para o sítio do suspeito de ter raptado Blondie.

Q. 2 – Carro de Blondie numa cidadezinha.
ARTUR – Acho que o despistamos.
BLONDIE – Que tal procurarmos um hotel?

Q. 3 – Carro de Blondie parado junto à praça central da cidadezinha. Velho atravessando a rua. Guarda (estrábico e de lábios grossos), na esquina, olhando o carro.
ARTUR – Só espero que aquele guarda...

Q. 4 – Blondie olhando para o guarda, que vem ao encontro deles. Artur olhando para a frente.
BLONDIE – Não espere... Porque ele já está vindo, meu querido.

Q. 5 – Guarda estrábico (seus olhos estão quase saltando das órbitas), debruçado na janela do carro, vendo Artur de calção e Blondie de baby-doll.
GUARDA – Estou atrapalhando alguma coisa?
ARTUR – Não é o que parece, “seu” guarda...
GUARDA – Você quer dizer que quer que eu acredite que não estou vendo o que estou vendo?

Q. 6 – Guarda exaltando-se e ficando ainda mais estrábico. Blondie fazendo expressão inocente.
BLONDIE – É mais ou menos isso...
GUARDA – Como é que é?
BLONDIE – Não, não foi isso que eu quis dizer, “seu” guarda...
ARTUR – Podemos explicar...
GUARDA – Vão explicar é lá na delegacia... para o delegado!

Q. 7 – Delegado (seu rosto assemelha-se ao de um buldogue), sentado à escrivaninha, rindo sadicamente e encarando, com olhinhos pequenos e brilhantes, Artur e Blondie, enquanto brinca com uma espátula de abrir correspondência. Guarda estrábico, com ar de herói, perfilado ao lado da escrivaninha, sobre a qual há um jornal dobrado em que se vê parte de uma foto de Blondie.
DELEGADO – Hã-hã! Então, o casalzinho se divertia em plena via pública, confundindo a praça com motel?
ARTHUR – Nada disso, “seu” delegado. É tudo um mal-entendido.
BLONDIE – E esse guarda não deu tempo para que explicássemos.

Q. 8 – Delegado, com o corpo meio erguido da cadeira e debruçado sobre a escrivaninha, segurando a espátula.
DELEGADO – Eu sou o homem a quem os cidadãos de bem desta cidade confiaram a defesa da moral e dos bons costumes. E é o que tenho feito! E não serão vocês, dois sem-vergonha, que vieram não sei de onde, que irão macular nossa urbe!

Q. 9 – Mais ou menos o mesmo desenho do quadrinho anterior. Blondie fazendo beicinho.
DELEGADO – Agora, confessem! E verei o que posso fazer por vocês!
BLONDIE – Não temos nada a confessar! Não fizemos nada!
ARTUR – É a mais pura e cristalina verdade, “seu” delegado!

Q. 10 – Delegado falando com autoridade e esgrimindo a espátula.
DELEGADO – Não têm nada para confessar?! Vocês são uns otários, se pensam que podem me enganar...

Q. 11 – Delegado assumindo a postura de Napoleão Bonaparte (ereto e com a mão dentro do paletó). Guarda tapando a boca com a mão e abafando risinho.
DELEGADO – Eu me chamo Bonaparte! Tenho um nome a zelar!

Q. 12 – Artur apontando para o jornal sobre a escrivaninha. Delegado arregalando comicamente os olhos.
ARTUR – O senhor já viu o jornal?
DELEGADO – O jornal?! Que tem ele?
ARTUR – Por que não dá uma olhada?

Q. 13 – Delegado pegando o jornal e olhando Artur com desconfiança.
DELEGADO – Se isso for um truque, vai se arrepender de ter posto os pés na minha cidade!

Q. 14 – Delegado lendo o jornal. Blondie olhando para o guarda e dando um sorriso amarelo.
ARTUR – Espero que aí esclareça tudo.
BLONDIE – Oi...

Q. 15 – Delegado (seu rosto está ainda mais semelhante ao de um buldogue) olhando para Artur.
DELEGADO – Na verdade, não! As coisas se complicaram ainda mais!
ARTUR – Como?! Não está falando aí que ela é a Blondie, a famosa atriz norte-americana?!
DELEGADO – Sim. Mas também fala que você...

Q. 16 – Detalhe das mãos do delegado segurando o jornal (aberto), que mostra uma grande fotografia de Blondie e a manchete: BLONDIE RAPTADA!
DELEGADO – ...é o seu raptor!
ARTUR – RAPTOR?!!!
BLONDIE – RAPTADA?!!!

Q. 17 – Delegado conversando cordialmente com Blondie e Artur. Guarda encolhido num canto.
TEXTO – Finalmente, após todo o mal-entendido ser esclarecido, o delegado se desmancha em mesuras.
DELEGADO – É uma grande honra para nossa cidade hospedar uma pessoa tão ilustre...
GUARDA (pensando) – GULP! Sou mesmo um caso perdido. Nunca consigo dar uma dentro. GULP!

Q. 18 – Blondie, muito à vontade, sentada sobre a escrivaninha, com as pernas cruzadas e as mãos segurando os joelhos. Delegado dando ordens ao guarda.
DELEGADO – Todai! Vá até minha casa e peça um vestido para minha mulher. Miss Blondie não pode ficar assim. A pobrezinha pode até pegar uma pneumonia.
GUARDA – S... Sim, senhor.
DELEGADO – E, da próxima vez, procure ler mais jornal, para não cometer tolices! Agora, vá... vá!

Q. 19 – Polegar acordando no chão da sala do sítio e colocando as mãos na cabeça. Ele tem uma expressão de dor no rosto. Som de sirena de carro de polícia entrando pela porta aberta.
SIRENA – ÓÓÓÓÓÓ!
POLEGAR – Ui, minha cabeça...
– Hã?! Que será isso?

Q. 20 – Polegar, com o corpo meio para dentro da sala do sítio, espiando pela porta aberta.
SIRENA – ÓÓÓÓÓÓ!
POLEGAR – A polícia!!! Q... Q... Que faço...?!

Q. 21 – Polegar correndo de um lado para o outro.
POLEGAR – Pra onde é que eu vou?

Q. 22 – Polegar pulando a janela dos fundos, através da qual se vê, mais adiante, uma mata fechada.
POLEGAR – Eu tenho que dar no pé!

Q. 23 – No interior de seu automóvel, Fininho olhando para o carro de Blondie, que está estacionado diante do prédio com a placa: DELEGACIA.
FININHO (pensando) – Ah, o idiota veio se refugiar na delegacia, acreditando que desse modo se livraria de mim...
– Só que se enganou...

Q. 24 – Na sala do sítio, Secretário de Segurança, delegado (o de Santa Rita), policiais, cinegrafistas, repórteres. No meio dos repórteres, Sandra Bruno (com o microfone na mão) falando para a câmera, que está diante dela.
SANDRA – Estamos transmitindo diretamente do sítio em que se presume tenha sido o cativeiro de Blondie.

Q. 25 – Plano geral de sala de visitas modesta. Sônia, sentada ao lado da mãe num sofá, assistindo à televisão, que mostra o Secretário de Segurança exibindo as roupas de Blondie e Artur.
SECRETÁRIO – Estas são as roupas de Blondie e de seu raptor.
SÔNIA – Esse cachorro sem-vergonha! Olha aí, mãe! Com que cara vou aparecer na rua, agora? Eu não merecia isso!
SOGRA – Aquele idiota! Espero não vê-lo nunca mais!

Q. 26 – Close de Sônia, assustada.
SÔNIA – Por Deus, mamãe! Não fale assim do meu Artur.

Q. 27 – Delegado, todo empolgado, conversando com Blondie.
DELEGADO – Nunca pensei conhecer pessoalmente uma estrela de Hollywood.
BLONDIE – Tudo tem seu dia...

Q. 28 – Blondie olhando penalizada para o delegado.
DELEGADO – Sempre sonhei em ser ator. Mas meu pai me obrigou a estudar Direito...
– E, hoje, aqui estou... completamente frustrado.
BLONDIE – Pobrezinho... Que peninha...

Q. 29 – Delegado segurando um peso de papel em vez de uma caveira e recitando dramaticamente o monólogo de Hamlet.
DELEGADO – Ser ou não ser, eis a questão!

Q. 30 – Fininho entrando, com revólver em punho.
FININHO – Que tal se decidir logo e ir levantando as mãos...?

Q. 31 – Blondie tentando dar um pontapé na mão de Fininho e acertando em cheio o queixo do delegado, que cai para trás; peso de papel indo de encontro à testa de Artur, que também está sendo arremessado para trás.
RUÍDO – POU!
DELEGADO – AH!
ARTUR – UGH!

Q. 32 – Fininho tirando Blondie de cima da escrivaninha com violência.
FININHO – E você, miss Dólares... Vem comigo!
BLONDIE – AAAI! Pra que tanta brutalidade?! Somos todos civilizados!

Q. 33 – Artur fazendo careta de dor, erguendo-se do chão, passando a mão pela testa e olhando para o delegado caído junto à escrivaninha.
ARTUR – Você está bem?
DELEGADO – Parece que sim...

Q. 34 – Fininho dirigindo o carro e tendo a seu lado Blondie, que está com as mãos amarradas diante do corpo.
BLONDIE – Preciso ficar assim, com as mãos amarradas?
FININHO – Isso é para você não tentar nenhuma bobagem!

Q. 35 – Mais ou menos o mesmo desenho do quadrinho anterior.
BLONDIE – Se pensa que vai conseguir escapar, está enganado.
– Daqui a pouco, até o FBI e a CIA estarão atrás de você!
FININHO – Esse é um problema para se pensar no futuro.

Q. 36 – Artur dirigindo o carro de Blondie.
ARTUR – Conheço esta região como a palma da minha mão! Sei de todos os buracos que podem esconder aquele rato!

Q. 37 – Presidente de câmara municipal modesta (própria de pequena cidade do interior) discursando eloqüentemente.
PRESIDENTE – E, na qualidade de Presidente da Câmara, proponho que seja colocada uma placa na Praça da Matriz com os dizeres: BLONDIE ESTEVE AQUI.

Q. 38 – Padre, no púlpito, falando para fiéis atentos.
PADRE – Amados irmãos, atentai para as palavras do Senhor em “Gênesis” capítulo 18, versículos 20 e 21, quando anunciou a Abraão a destruição de Sodoma e Gomorra.

Q. 39 – Padre, no púlpito, falando de forma dramática e gesticulando. Fiéis respondendo em coro.
PADRE – E por que o Senhor queria destruir Sodoma e Gomorra?
– Porque haviam se transformado em antros de perdição, de devassidão.
– E queremos isso para a nossa cidade?
FIÉIS – NÃÃÃOOO!

Q. 40 – Grande plano de padre exaltado.
PADRE – Devemos, portanto, abominar essa pecaminosa... essa... essa Blondie

Q. 41 – Moleque escrevendo com spray em muro deteriorado os seguintes dizeres: BLONDIE ISTEVE AQUI.
Observação: a palavra ESTEVE deve ser escrita com I mesmo, a fim de mostrar que o moleque é semi-analfabeto.


Q. 42 – Artur dirigindo o carro de Blondie e observando o carro de Fininho entrando num pequeno desvio e indo em direção a um motel de estilo rústico. Na entrada do motel, na parede de uma pequena torre com seteiras, um letreiro com os dizeres: KABANA MOTEL.
ARTUR (pensando) – Lá está! Ele só podia mesmo se esconder num motel...

Q. 43 – Recepcionista do motel (ela usa um uniforme, composto de saia curta e blusa na qual está escrito Kabana Motel) entregando a Fininho uma chave (presa a uma plaqueta) e espichando o pescoço para olhar Blondie, que lhe dá um sorriso amarelo e esconde as mãos entre as coxas desnudas.
RECEPCIONISTA – Cabana 19.
BLONDIE – Oi...

Q. 44 – Recepcionista vendo o carro sair.
RECEPCIONISTA (pensando) – Nunca vi um casal tão impetuoso.
– Ela podia ao menos ter um pouco mais de paciência...

Q. 45 – Recepcionista sorrindo e tirando o fone do gancho.
RECEPCIONISTA – Essa o Macho Grande gostará de ver.

Q. 46 – Macho Grande (o homem é enorme e musculoso. Tem um rosto grande e olhos pequenos e redondos. Nos braços desnudos, diversas tatuagens. Seu cabelo assemelha-se mais à juba de um leão) atendendo ao telefone, numa sala da torre. Junto à janela de forma circular, uma luneta; em cima da mesa onde está o telefone, diversas revistas pornográficas.
RECEPCIONISTA (voz vinda pelo telefone) – Macho Grande, dê uma olhada na mulher que vai descer na cabana 19.
MACHO GRANDE – Tô de olho, gata. Valeu.
Observação: as falas de Macho Grande devem ser sempre escritas com letras maiores e mais grossas do que as usadas para escrever as falas dos demais personagens.

Q. 47 – Macho Grande observando pela luneta.
MACHO GRANDE – Santa Margarida do Bom Parto!

Q. 48 – Imagem vista através da luneta: Fininho e Blondie saindo do carro, que está parado em frente à cabana 19. O baby-doll de Blondie deixa-a praticamente nua.

Q. 49 – Artur numa elevação (coberta de mato) de onde se descortina as várias cabanas de estilo rústico. A imagem que ele está vendo é a mesma (mas de um outro ângulo) do quadrinho anterior.
ARTUR (pensando) – Desta vez, eu sou o caçador!

Q. 50 – Fininho e Blondie no interior da cabana, cuja decoração combina com o estilo da construção. Fininho segura um pedaço de corda.
FININHO – Vou amarrá-la, porque preciso dar uma saidinha.
BLONDIE – Você tá na sua. Nada contra.

Q. 51 – Fininho, parado no centro do quarto, olhando Blondie, que está deitada na cama, toda amarrada.
FININHO – Até que você é uma garota legal. Em outras circunstâncias, podíamos...
BLONDIE – Nada de idéias sujas pro meu lado...

Q. 52 – Artur (ele está na mesma elevação do Q. 49) observando Fininho entrar no carro.
ARTUR (pensando) – O que eu imaginava. Ele deve estar indo telefonar.

Q. 53 – Blondie amarrada na cama.
BLONDIE – Ah, meu querido herói... Onde está você? Por que não vem salvar a mocinha?

Q. 54 – Macho Grande, sentado junto à mesa, montando um enorme sanduíche com pão, ovo frito, presunto, queijo, alface e tomate. As revistas pornográficas devem estar num canto da mesa. Ao fundo, diante da janela, a luneta.
MACHO GRANDE – A “mina” abriu o apetite de Macho Grande.
– Que “mina”, Santa Margarida!

Q. 55 – Artur enfiando a ponta de um canivete na fechadura da porta da cabana 19.
TEXTO – Enquanto Macho Grande sacia sua fome...
ARTUR (pensando) – Quem disse que curso por correspondência não serve para nada?
– Pelo menos o de chaveiro está me servindo!

Q. 56 – Fininho falando ao telefone, numa cabina de beira de estrada.
FININHO – Anotou aí, moça? Qualquer coisa errada, e eu corto os dois braços da loirinha...
NORMA (voz vinda pelo telefone) – N... N... Não! Anotei tudo, “seu” raptor!

Q. 57 – Blondie, libertada das cordas, atirando-se nos braços de Artur.
BLONDIE – IUPIII! Meu herói!
ARTUR – Calma! Não se esqueça de que estamos vivendo perigosamente...
BLONDIE – Vivendo perigosamente... Até que é um belo título para um filme!

Q. 58 – Blondie abraçando Artur e oferecendo-lhe os lábios.
ARTUR – Você é totalmente louca!
BLONDIE – Louca e apaixonada!

Q. 59 – Blondie levando Artur para a cama.
BLONDIE – Agora, eu cuido das coisas...
ARTUR – E eu rendo-me às suas coisas...

Q. 60 – Enfermeira tirando a pressão de Norton (a aparência dele é lastimável: a imagem de um ser destruído, completamente sem forças para lutar), que está deitado numa maca. As duas secretárias estão junto à maca (uma de cada lado) e têm uma expressão chorosa. Mais afastados, Mark, Norma (ela segura uma folha de papel) e Blackwood. Em cima de uma mesa, uma maleta aberta cheia de dólares bem arrumados.
NORTON – GULP! Não pode ser... Deus não pode permitir...
– Minha estrelinha sem os dois braços!
SECRETÁRIA LOURA – Não se exalte, mr. Norton.
SECRETÁRIA MORENA – Não é bom para o seu coração.
BLACKWOOD (falando baixo – letras miúdas) – A Vênus de Milo não tem os dois braços e é o símbolo da mulher ideal.

Q. 61 – Norton monologando, meio fora de si. Secretária Morena falando com a enfermeira.
NORTON – COF! COF! Olhe só o que está acontecendo...
– COF! COF! Não acredito no que estou ouvindo...
SECRETÁRIA MORENA – Não é com Blondie que estou preocupada, e sim com ele...
ENFERMEIRA – É... O estado dele não é nada bom e agravou-se ainda mais após esse telefonema.

Q. 62 – Norton olhando com expressão de súplica para Mark. Norma mostrando a folha de papel.
NORTON – Você vai pagar o resgate, Mark! Promete?
MARK – Não se preocupe com isso. Prometo que vou.
NORTON – COF! A Norma deve ter tudo anotado.
NORMA – Sim, mr. Norton. Está tudo aqui, anotadinho.

Q. 63 – Blackwood apontando para a maleta com o dinheiro.
BLACKWOOD – A promoção que estamos tendo vale cada um desses dólares.
MARK (pensando) – Não sei o que me impede de atirar esse asno pela janela...

Q. 64 – Norton fazendo apelo dramático para Mark.
NORTON – Por favor, Mark, eu imploro de todo o coração: ajude-me!
– COF! COF! A polícia deve ser mantida afastada...
– Não podemos correr nenhum tipo de risco. É a vida de Blondie que está em jogo. GULP! GULP! E o futuro da NORTON ENTERTAINMENT!

Q. 65 – Delegado (o da cidadezinha) olhando com expressão de raiva para o guarda estrábico, que segura um vestido.
TEXTO – Enquanto isso...
GUARDA – Aqui está o vestido. Pra que é?
DELEGADO – Para você vestir, asno!

Q. 66 – Blondie, deitada na cama, olhando para Artur.
ARTUR – Ao vê-la assim, fico fora de mim. É como se estivesse nas nuvens!
BLONDIE – Que bom, querido. E por que não embarcamos nessa nuvem?
RUÍDO (off) – RUUUMMM!

Q. 67 – Artur fazendo sinal para Blondie (ela com expressão de desânimo) fazer silêncio.
ARTUR – Ele está voltando...
BLONDIE – Não acredito...!

Q. 68 – Artur, atrás da porta, segurando uma cadeira. Blondie, deitada, olhando para a porta.
FININHO (off) – Hummm... Macacos me mordam, se esta fechadura não foi forçada.

Q. 69 – Fininho, de revólver em punho, entrando no quarto.

Q. 70 – Fininho levando uma formidável cadeirada e deixando o revólver cair. Blondie dando um salto de alegria.
RUÍDO – POU!
FININHO – AIII!
BLONDIE – Viva! Os mocinhos sempre vencem...

Q. 71 – Blondie correndo para os braços de Artur.
BLONDIE – ...e ficam com a mocinha!

Q. 72 – Blondie abraçando amorosamente Artur.
BLONDIE – Vamos, querido. Eu acho que agora podemos acabar o que começamos.

Q. 73 – Blondie, deitada languidamente na cama, oferecendo-se para Artur, que olha, contrariado, para Fininho.
BLONDIE – Q... Que foi?
ARTUR – Com ele ali, não dá!
BLONDIE – Ora, coloque-o dentro do guarda-roupa!

Q. 74 – Artur colocando Fininho, que continua desacordado, no interior do guarda-roupa. Blondie, com o corpo meio erguido na cama, olhando para Artur.
ARTUR – Depois, veremos o que fazer com você...
BLONDIE – Não se preocupe tanto assim com ele, querido. Preocupe-se comigo!

Q. 75 – Artur e Blondie, abraçados na cama, beijando-se com ardor.
BLONDIE – Finalmente... estamos sozinhos!
TEXTO – Será mesmo, Blondie?

Q. 76 – Blondie, de olhos fechados e com os braços em volta do dorso nu de Artur, esperando receber um beijo. Artur erguendo a cabeça e olhando na direção da porta, de onde vem o ruído de pancadas.
BLONDIE – Beije-me, querido. Beije-me como somente os latinos sabem beijar!
RUÍDO – PAM! PAM! PAM!

Q. 77 – Blondie, com expressão alucinada, batendo a mão sobre a cama.
BLONDIE – OH! NÃÃÃO!!! De novo, não!

Q. 78 – Artur abrindo a porta.

Q. 79 – Macho Grande, diante da porta aberta, olhando desconfiado para o interior do quarto.
MACHO GRANDE – Você não é o outro.
– Onde está o outro?
ARTUR – O outro?! De que outro você está falando?!

Q. 80 – Artur falando energicamente. Macho Grande, desconfiado, arregalando os olhos.
ARTUR – Olha, moço, vim aqui para ter privacidade. Sei lá de que outro você está falando...
MACHO GRANDE – Vi, quando chegaram. E não era você.
– E que barulho foi aquele que ouvi ainda agora pouco?

Q. 81 – Artur impaciente.
ARTUR – Baratas! Minha mulher morre de medo de baratas. É melhor cuidar mais da limpeza de seu motel!
BLONDIE (off) – Que está acontecendo, benzinho? Venha logo!

Q. 82 – Macho Grande caminhando pelo parque do motel, diante das cabanas. Ele passa a mão pelo queixo, e seu rosto tem uma expressão intrigada.
MACHO GRANDE (pensando) – Ninguém engana assim tão fácil Macho Grande.
– Nesse pau tem mel. Ah, se tem!

Q. 83 – Macho Grande chegando à portaria e encontrando guarda rodoviário conversando com a recepcionista. A motocicleta do guarda rodoviário está estacionada junto à portaria.
MACHO GRANDE – Oi, Mário. Chegou no momento certo!
MÁRIO – Por quê? Que cara é essa?
MACHO GRANDE – Tem uma coisa que está encucando aqui o meu pensante.
– Tem alguma coisa errada lá na cabana 19.

Q. 84 – Recepcionista com expressão maliciosa. O guarda rodoviário sorrindo. Macho Grande com ar sério.
RECEPCIONISTA – Sabe o que é? O Macho Grande aí ficou gamado na garota de baby-doll.
MÁRIO – Ah, então, é isso?
MACHO GRANDE – De fato, é uma “mina” da pesada. Mas não é sobre isso que estou falando.

Q. 85 – Primeiríssimo plano de Macho Grande.
MACHO GRANDE – É sobre o cara que está lá. Não é o mesmo que veio com ela!

Q. 86 – Blondie (ela está sem o baby-doll), oferecendo-se para Artur, que a olha extasiado.
ARTUR – Você é um sonho, Blondie...

BLONDIE – Bobagem! Eu sou bem real, de carne e osso!

Q. 87 – Blondie assumindo uma pose provocante.
BLONDIE – Vamos, querido! Venha me amar, antes que o mundo desabe sobre as nossas cabeças!
TEXTO – Comentário mais que sensato, Blondie.

Q. 88 – Artur e Blondie abraçados. A porta do quarto sendo arrombada com um tremendo estrondo pelo guarda rodoviário, que segura um revólver enorme.
RUÍDO – CRASH!

Q. 89 – Blondie cobrindo-se com o lençol e olhando desanimada para o guarda rodoviário. Atrás do guarda, Macho Grande.
MÁRIO – Que está acontecendo aqui?
BLONDIE – Que pergunta mais cretina. Não está vendo?
MÁRIO – Quero saber onde está o outro...
ARTUR – Chiii, vai começar tudo de novo.

Q. 90 – Guarda olhando para o guarda-roupa, de onde vem o ruído de pancada e voz.
RUÍDO – TOC! TOC!
FININHO (voz vinda do interior do guarda-roupa) – Tirem-me daqui!
MACHO GRANDE – Sabe... Nunca vi um guarda-roupa falar!

Q. 91 – Macho Grande abrindo a porta do guarda-roupa.

Q. 92 – Fininho saindo do interior do guarda-roupa e acusando Artur e Blondie (ela está encolhida na cama, como se fosse uma coelhinha assustada). O guarda rodoviário continua apontando o enorme revólver na direção de Artur.
FININHO – Peguei esse cara com minha mulher, “seu” guarda!
ARTUR – É tudo mentira! Ela é a Blondie, a estrela de Hollywood! E esse aí, seu raptor!
MÁRIO – Verdade? E eu sou o Capitão América!

Q. 93 – Fininho tomando o revólver do guarda rodoviário.
FININHO – Isto fica melhor na minha mão, otário!

Q. 94 – Artur tentando reagir e levando uma pancada com o cano do revólver.
RUÍDO – POU!
ARTUR – UGH!
FININHO – Hoje não é o seu dia de sorte. Ainda não se convenceu?

Q. 95 – Fininho trancando Macho Grande e o guarda rodoviário no banheiro. Ele os ameaça com o revólver.
FININHO – Não sou um sujeito mal, mas gosto de encher de chumbo a carcaça daqueles que me enchem o saco!

Q. 96 – Blondie, nua, ajoelhada ao lado de Artur, erguendo a cabeça e olhando para Fininho, que coloca o revólver na cintura.
BLONDIE – Você o machucou...
FININHO – Escute bem... Não tenho tempo a perder com papo furado...

Q. 97 – Fininho segurando o braço de Blondie com violência.
BLONDIE – AIII! Está me machucando, seu bruto!

Q. 98 – Blondie puxando a ponta do lençol de sobre a cama.

Q. 99 – Fininho puxando Blondie com violência pelo braço.
BLONDIE – Não escutou? Está me machucando!
FININHO – Está com muita sorte, moça! Nunca fui tão legal com alguém como estou sendo com você.

Q. 100 – Fininho puxando Blondie na direção do carro, enquanto ela tenta enrolar o lençol em torno do corpo.
BLONDIE – Não seja tão bruto!
– Por que não deixou eu cuidar do meu Arturzinho?
FININHO – Seu namorado está bem, garota! Bati de leve nele.

Q. 101 – Blackwood falando entusiasmado ao telefone.
BLACKWOOD – Nunca tivemos um golpe publicitário como esse, mr. Whitney.
– Podemos classificá-lo como o golpe publicitário do século!

Q. 102 – Whitney olhando intrigado para o fone em sua mão.
WHITNEY – O maior golpe publicitário do século?!
– Então era isso?

Q. 103 – Norton (seu aspecto é o mesmo do Q. 60) falando com as duas secretárias, que o olham com expressão de pena.
NORTON – Façam um ligação para o John...
SECRETÁRIA LOURA – Sim, mr. Norton...
SECRETÁRIA MORENA – Agora mesmo, mr. Norton...

Q. 104 – Norton falando ao telefone com certa dificuldade, devido à sua condição de enfermo.
NORTON – John...? Mandei pagar o resgate. Os miseráveis chegaram a ameaçar cortar os dois seios e os dois braços da Blondie...

Q.105 – Whitney, ao telefone, rindo gostosamente.
WHITNEY – HA! HA! HA! Seu maroto! Já sei de tudo! Meus parabéns!

Q. 106 – Norton, alarmado, largando o fone. As duas secretárias, com expressão de choro, olhando a enfermeira aproximar-se para tirar a pressão de Norton.
WHITNEY (voz vinda pelo telefone) – HA! HA! HA!
NORTON – Pobre John, enlouqueceu...

Q. 107 – A enfermeira tirando a pressão de Norton. As duas secretárias, com expressão de choro, em volta da maca (uma de cada lado).
NORTON – COF! COF! Blondie, onde está você?

Q. 108 – Artur levantando-se e levando a mão à cabeça.
ARTUR – Blondie... Blondie... Onde está você?

Q. 109 – Fininho e Blondie (ela está meio enrolada no lençol) dentro do carro.

Q. 110 – Carro arrancando. Artur aparecendo na porta da cabana.
ARTUR (gritando) – BLONDIEEEEE!!!
FININHO (voz vinda do interior do carro) – Eu não disse que tinha batido de leve nele?

Q. 111 – Fininho fazendo manobra violenta com o carro (pneus chiando), a fim de pegar a alameda que conduz à saída do motel. Artur ficando na frente do carro.
RUÍDO – IIIIIII!

Q. 112 – Blondie tapando os olhos com as mãos e deixando o lençol cair sobre as pernas.
BLONDIE – Meu Deus! Você vai atropelá-lo!
– Não quero nem olhar!
FININHO – Que se dane esse seu namorado maluco, docinho!
Observação: daqui em diante, Blondie estará sempre nua.

Q. 113 – Carro (meio desgovernado) atravessando a alameda. Artur dando um salto mortal.
ARTUR – GULP!

Q. 114 – Artur agarrando-se à porta do lado de Fininho.

Q. 115 – Artur com o corpo meio para fora do carro. Fininho agarrando Artur com uma mão e com a outra o volante, tentando dirigir. Blondie totalmente nua, sem saber o que fazer.
FININHO – Você deve ter lido muito gibi e pensa que é super-herói.
ARTUR – Você se tornou um caso pessoal.

Q. 116 – Blondie ajudando Artur (ele ainda está com parte das pernas para fora do carro) a entrar no veículo. Fininho, com a cara prensada contra o volante, tentando dirigir.
BLONDIE – Sou contra a violência, mas você fez por merecer!
FININHO – UGH!

Q. 117 – Artur e Fininho lutando no interior do carro. Blondie, totalmente desajeitada, devido à sua posição, agarrando-se ao volante e procurando controlar o veículo.
FININHO – Quero que morra e queime no inferno!

Q. 118 – O carro, totalmente desgovernado, indo de encontro a um barraco, do qual sai um bando de galinhas esvoaçando.
RUÍDO – CRASH!
GALINHAS – COCOROCOCÓÓÓ!

Q. 119 – Parte do carro dentro dos escombros do barraco. Algumas galinhas em cima da parte traseira do veículo.
ARTUR  (voz vinda dos escombros) – Tudo bem com você?
BLONDIE (voz vinda dos escombros) – Tenho vontade de chorar!

Q. 120 – Artur examinando Fininho, que está desacordado. Blondie olhando preocupada para Fininho. Um galo empoleirado sobre o volante.
BLONDIE – Ele está morto?
ARTUR – Parece que não. Portanto, acho melhor amarrá-lo!

Q. 121 – Artur olhando assustado para Blondie, que o está puxando pelo braço para um recanto do que sobrou do barraco.
BLONDIE – Agora que cuidou dele... que tal cuidar de mim?
ARTUR – Mas AQUI?!
BLONDIE – E por que não? Desde quando o lugar importa?

Q. 122 – Artur tentando desvencilhar-se de Blondie, que o segura fortemente pelo braço.
ARTUR – Antes, tenho de libertar o guarda e o brutamontes.
BLONDIE – Não, não... Eles só vão atrapalhar o nosso amorzinho.

Q. 123 – Artur e Blondie deitados num monte de palha. Ela segurando a cabeça dele com as duas mãos, a fim de beijá-lo na boca.
BLONDIE – Vamos, querido, não está feliz por me ver assim...
– ...inteirinha nua e sua...?

Q. 124 – Recepcionista pilotando a motocicleta do guarda rodoviário e olhando os escombros (com parte do carro enfiado dentro) do barraco.
RECEPCIONISTA – Que aconteceu com o galinheiro? Será que aqueles dois malucos fizeram isso?

Q. 125 – Recepcionista, parada junta à porta aberta do lado do motorista, encontrando Fininho amarrado e voltando a si.
RECEPCIONISTA – Nossa! Que aconteceu?
– Você não é o cara que veio com a mulher de baby-doll?
FININHO – Sim... Sou eu...
– Por que não me desamarra?

Q. 126 – Fininho desamarrado.
FININHO – Além de roubar minha mulher, o desgraçado quase me matou!
RECEPCIONISTA – Pobrezinho...
– Onde estão os outros? A cabana 19 está vazia!

Q. 127 – Fininho totalmente refeito.
FININHO – Não olhou no banheiro?
RECEPCIONISTA – Não? Por quê?

Q. 128 – Fininho dando um soco no queixo da recepcionista, que cai desacordada no banco de trás do carro.
FININHO – Só por isso vai levar um castigo, beleza.
RUÍDO – POU!
RECEPCIONISTA – AIII!

Q. 129 – Unidos num abraço, Artur e Blondie beijando-se. Fininho aparecendo com um porrete na mão.

Q. 130 – Fininho acertando uma pancada na cabeça de Artur. Blondie, desconsolada, socando a palha com os punhos.
BLONDIE – Ah, não! Outra vez a mesma coisa! Isso já está ficando monótono!

Q. 131 – Blondie olhando para Fininho.
BLONDIE – E agora, senhor raptor?
FININHO – Pena que só tenha conseguido um beijinho de seu namorado...

Q. 132 – Fininho, com um sorriso, puxando Blondie pelo braço.

Q. 133 – Fininho e Blondie saindo do barraco. Fininho olhando feliz para a motocicleta do guarda rodoviário.
FININHO – Viva! Nem precisei rezar. Aí está a nossa máquina de fuga!

Q. 134 – Fininho colocando a motocicleta em movimento. Blondie está sentada atrás dele e com os braços em torno de sua cintura.
RUÍDO – VROM! VROM! VROM!
FININHO – Sei que não é muito confortável, mas...
BLONDIE – Eu me derreto toda, ouvindo você falar assim...

Q. 135 – Recepcionista voltando a si, segurando o queixo e fazendo careta de dor.
RECEPCIONISTA – Aquele cretino quase me arrebentou o queixo!

Q. 136 – Recepcionista correndo no parque do motel.
RECEPCIONISTA – Ufa! Tenho que libertar Macho Grande e o Mário.

Q. 137 – Artur sentando-se na palha e afastando uma galinha de sobre seu peito. Ao lado, o porrete que Fininho usou para desacordá-lo.
ARTUR – Mais um round a seu favor, senhor bandido...
– Mas a luta ainda não terminou...

Q. 138 – Artur chegando ao carro, cuja porta do lado do motorista continua aberta.
ARTUR – Não tenha medo, querida. Não vou deixar nada acontecer com você.
– Eu juro!

Q. 139 – Recepcionista libertando o guarda rodoviário e Macho Grande.
RECEPCIONISTA – Que diabo aconteceu com vocês?
MÁRIO – Onde está aquele escroto?
RECEPCIONISTA – Deve estar falando do cara que me nocauteou...

Q. 140 – Recepcionista, guarda rodoviário e Macho Grande fora da cabana.
MÁRIO – Minha moto...? Cadê minha moto...?
RECEPCIONISTA – Acho que ele fugiu com ela...

Q. 141 – Macho Grande espumando de ódio e socando a parede da cabana. Guarda rodoviário pulando de raiva. A recepcionista erguendo as mãos, pedindo calma.
RECEPCIONISTA – Tenham calma... Não adianta ficarem nervosos!
MÁRIO – Vou caçar aquele cão sarnento até os confins da Terra! Podem apostar!

Q. 142 – Locutor, em estúdio de televisão, falando para a câmera. Ao fundo, monitor mostrando uma grande caravana de veículos (viaturas policiais, trailers, caminhão do Gran Circo Pan-Americano etc.).
LOCUTOR – Interrompemos nossa programação para uma notícia de última hora sobre o rapto da superstar Blondie.
– Nossa repórter Sandra Bruno fala de um ponto qualquer da Via Anhanguera.
– É com você, Sandrinha!

Q. 143 – Sandra Bruno, com fones nos ouvidos e diante de câmera de televisão, falando com o microfone na mão. Ao fundo, a caravana de veículos passando.
SANDRA – Acabamos de ser informados pelo Secretário de Segurança Pública de que Blondie esteve numa cidadezinha a poucos quilômetros do sítio onde foi seu cativeiro. E é para lá que estamos indo agora.

Q. 144 – Mais ou menos o mesmo desenho do quadrinho anterior. Sandra Bruno em plano mais próximo.
SANDRA – E o repórter Armando Bertoni, que faz a cobertura aérea no Corvo Platinado, tem mais detalhes do caso.
– Que está acontecendo, Armando?

Q. 145 – Estrada vista do alto. Fininho levando Blondie nua na moto.
ARMANDO (off) – Estamos sobrevoando as imediações de um motel, o Kabana Motel... E acabamos de ver uma cena inusitada: uma mulher nua numa moto!
– Dê um zoom, Gori...

Q. 146 – Primeiro plano de moto levando Fininho e Blondie.
ARMANDO – É A BLONDIE!!!
– SIM, NÃO HÁ DÚVIDA DE QUE AQUELA MULHER É A BLONDIE!!!

Q. 147 – Armando, com fones nos ouvidos e microfone na mão, falando excitado.
ARMANDO – E agora... um carro... Um carro está saindo do meio de uns escombros...

Q. 148 – Estrada vista do alto. Carro dirigido por Artur seguindo na mesma direção que foi a moto pilotada por Fininho.
ARMANDO (off) – Num furo de reportagem, estamos mostrando ao vivo o que parece ser uma perseguição.
– Quem será que está dirigindo o carro? O raptor...?

Q. 149 – Mais ou menos a mesma imagem do quadrinho anterior sendo assistida, por meio de um televisor, por Blackwood, Norma e as duas secretárias. As três mulheres olhando com ar de censura para Blackwood, que está exultante.
BLACKWOOD – Nunca ninguém promoveu dessa forma um filme!
O Norton é um gênio! Um gênio!

Q. 150 – As duas secretárias entrando em quarto mergulhado na penumbra. Norton repousando numa poltrona reclinada.
SECRETÁRIA LOURA – Na televisão estão falando da Blondie...
NORTON – Por favor, deixe-me em paz...
– Eu não vejo televisão! E não irei ver agora!

Q. 151 – As duas secretárias junto à poltrona onde está Norton.
SECRETÁRIA MORENA – Mas o noticiário...
SECRETÁRIA LOURA – Por favor, mr. Norton. É o noticiário, e interessa muito ao senhor...
NORTON – Bobagem! Puro sensacionalismo! A televisão vive de sensacionalismo!

Q. 152 – Estrada vista do alto, com sombra do helicóptero. Motocicleta levantando nuvem de pó. O carro dirigido Artur vindo mais atrás.
ARMANDO (off) – O carro está se aproximando da moto... É verdadeiramente sensacional, meus amigos da Rede Mundo de Televisão! E, neste domingo, não percam, a partir das nove da noite, no programa Incrível, uma reportagem completa sobre este caso que tem deixado aflitos todos os fãs da superstar Blondie...

Q. 153 – Escritório com televisor mostrando carro dirigido por Artur perseguindo moto pilotada por Fininho. Homem (de aproximadamente cinqüenta anos de idade, totalmente calvo) sendo atendido por uma secretária (ela usa um uniforme igual ao da recepcionista do Kabana Motel), que está lhe dando um comprimido.
SECRETÁRIA – Tome um calmante, sr. Diógenes...
DIÓGENES – Meu Deus! Que vergonha! Que escândalo! No meu motel! Estou desmoralizado... arruinado!
 

Q. 154 – Macho Grande conversando com a recepcionista. Na frente deles, televisor mostrando carro dirigido por Artur perseguindo a moto pilotada por Fininho.
RECEPCIONISTA – Pelo visto, você vai “dançar”, Macho Grande.
MACHO GRANDE – Sempre fui um cara profissional. “Dormi de touca” e tenho de pagar por isso. Não tem perdão.

Q. 155 – Mark, tendo a seu lado a maleta com os dólares, dirigindo um carro.

Q. 156 – Fininho olhando raivoso para o Corvo Platinado. Blondie, agarrada ao bandido, sorrindo.
BLONDIE – Sorria! Estamos sendo filmados!

Q. 157 – Artur dirigindo o carro e avistando ao longe uma velha mina sob uma montanha. A mina pode ser entrevista através da poeira levantada pela moto de Fininho, que está chegando lá, e o carro dirigido por Mark, que se encontra nas proximidades.
ARTUR – Aquela é a Mina do Alemão Perdido. O resgate deve ser pago lá!
– Já sei como pegar aquele rato!

Q. 158 – O carro de Artur subindo a montanha por um atalho meio coberto pela vegetação. Sombra do helicóptero projetada sobre a estrada.
ARMANDO (voz vinda do interior do helicóptero) – O perseguidor agora está tomando um atalho.

Q. 159 – O carro de Mark chegando à entrada da mina.

Q. 160 – Mark, fora do carro, segurando a maleta de dinheiro. À sua frente, apontando-lhe o revólver, Fininho. Ao lado do bandido, Blondie, que o olha com raiva. A moto está estacionada a um canto.
FININHO – Que significa esse helicóptero? Eu não falei para não me testarem?
MARK – É de um canal de televisão. Desde que ficaram sabendo do rapto de Blondie, os repórteres estão em todos os cantos...
BLONDIE – Vamos, pegue aí seus dólares e se manda!

Q. 161 – Mark abrindo a maleta sobre o capô do carro. Fininho apontando o revólver para ele, mas olhando para Blondie.
MARK – Um milhão de dólares. Como você pediu...
FININHO – Pegue a maleta, loirinha!

Q. 162 – Artur estacionando o carro no alto da montanha.

Q. 163 – Artur caminhando por perigoso declive (coberto de vegetação rasteira e algumas árvores) e dirigindo-se para a entrada da mina.

Q. 164 – Fininho apontando o revólver para Mark e olhando para Blondie, que está pegando a maleta.
FININHO – Vá para o carro!
BLONDIE – Você joga sujo!
FININHO – Mas sempre funcionou! Vamos, chega de conversa e vá para o carro!

Q. 165 – Fininho atirando contra a moto, que explode.
RUÍDO – BANG!
RUÍDO – BOOOMMM!
FININHO – Não gosto de destruir patrimônio público...

Q. 166 – Artur saltando sobre Fininho, que deixa a arma cair. Blondie gritando e dando um salto de alegria, enquanto joga e maleta para o ar.
FININHO – UIII!
BLONDE – Aí, mocinho!

Q. 167 – Fininho, caído no chão, sendo socado na cara por Artur, que está em cima dele. Mark segurando o ombro de Artur.
MARK – Já chega, rapaz! Pare! Do contrário, vai matá-lo!
ARTUR – Vamos, abra os olhos, canalha...!

Q. 168 – Blondie trançando as pernas sobre a cintura de Artur e agarrando-o pelo pescoço com os dois braços.
BLONDIE – Não é à toa que gostei de você logo de cara...

Q. 169 – Imagem vista do alto. Blondie na mesma posição do quadrinho anterior. Fininho caído no chão. Ao lado do bandido, Mark, que segura a maleta de dinheiro.
ARMANDO (off) – Afinal, tudo se esclareceu. O sujeito da moto era o raptor, e a maleta contém o dinheiro que ele havia exigido para libertar Blondie...

Q. 170 – Sandra Bruno falando com o microfone na mão.
SANDRA – Parabéns pela matéria, Armando. E, como num dos muitos filmes estrelados por Blondie, tudo terminou bem.
– Agora é com você, Patrícia, aí no estúdio...

Q. 171 – Plano geral do Kabana Motel, que agora se chama Motel Blondie. Uma grande multidão invadindo o parque do motel e entrando nas cabanas e na recepção.
TEXTO – Alguns dias depois, uma verdadeira loucura
se instalou no Kabana Motel...

Q. 172 – Plano geral do Kabana Motel, destacando a cabana 19, próxima da qual há um quiosque com um guichê. Sobre o guichê há uma plaqueta com os dizeres: R$ 50,00 POR PESSOA. Em frente ao guichê, uma fila enorme, que se perde de vista; e um cordão de isolamento desde o quiosque até a porta da cabana 19. De cada lado do quiosque, um grupo de garotas (todas usam um uniforme igual ao da recepcionista) dançando e agitando pompons.

Q. 173 – Secretária (a mesma do Q.153), toda alegre, falando com Diógenes, que está um pouco assustado.
SECRETÁRIA – A cabana 19 virou atração, sr. Diógenes... Uma loucura!
– Os telefones não param de tocar! Já temos reservas... com pagamento adiantado... por mais de um ano. Todos querem se hospedar na cabana em que Blondie ficou...
DIÓGENES – Devo tudo isso ao Macho Grande. E pensar que eu queria despedi-lo!

Q. 174 – Macho Grande (ele usa um smoking), sentado a uma enorme escrivaninha, fumando um grande charuto e conversando com uma insinuante secretária, que está colocando o fone no gancho e olhando para o homem.
SECRETÁRIA – Meu Deus, chefe! Tem um investidor norte-americano interessado em ser sócio do motel...
MACHO GRANDE – Não estamos interessados na proposta...
TEXTO (ele deve estar na parte inferior do quadrinho) – No mundo, tudo é uma questão de sorte...

Q. 175 – Norton entregando a maleta de dinheiro para Artur.
Junto a Norton, as duas secretárias, Norma e Mark olhando felizes e sorrindo. Blondie está segurando Artur pelo braço.

NORTON – Você salvou nossa estrela maior e fez jus a esse dinheiro.
BLONDIE – Agora, vamos, querido! Temos um assunto que ficou inacabado...

Q. 176 – Blondie e Artur (ele carrega a maleta de dinheiro), de braços dados, entrando num quarto de hotel. Blondie olhando por sobre o ombro, com um sorriso maroto, e piscando um olho.

Q. 177 – Norton pendurando na maçaneta da porta (fechada) uma plaquinha com os dizeres: FAVOR NÃO PERTURBAR.
VOZ (off – letras grandes e em negrito)CORTA!

Q. 178 – Plano geral da fachada (iluminada por holofotes) de cinema luxuoso. No alto do cinema, painel com grande cartaz mostrando Blondie e Artur beijando-se e o título: ONDE ESTÁ BLONDIE? Na frente do cinema, contida por dois cordões de isolamento, grande multidão olhando extasiada para Blondie (ela usa um vestido longo e exageradamente decotado e justo) e Artur (ele usa smoking), que, de pé num tapete vermelho (esse tapete estende-se desde o meio-fio até a entrada do cinema), posam para fotógrafos e câmeras de televisão. Em primeiro plano, uma repórter de televisão falando (com o microfone na mão) para a câmera.
REPÓRTER – A avant-première do filme Onde Está Blondie? acontece aqui em São Paulo...
Observação: essa repórter não é a Sandra Bruno, porque a Sandra Bruno também é uma personagem do filme.

 

Este roteiro foi concluído na cidade de Jardinópolis, em 29 de julho de 2002