Ano 3 - nº 10 - junho/setembro de 2011

A PROPÓSITO DE WILD BILL ESTÁ MORTO
Hermann



Fiz Wild Bil Está Morto porque senti a necessidade de realizar uma história em quadrinhos de Western realista. Comanche, que desenhei a partir de roteiros escritos por Greg, é uma boa série, de que muito me orgulho; mas estava demasiado presa ao Western de Hollywood. Detesto aqueles westerns à moda de John Wayne, filmes como Onde Começa o Inferno me deixam doente; e tinha documentação suficiente para fazer uma coisa muito mais próxima da realidade. Queria fazer uma história em quadrinhos que mostrasse a realidade do Velho Oeste e não a versão deturpada que Hollywood deu dele! (...) Aqueles cowboys com as armas a caírem até o meio da perna só existem no Cinema! Tal como os duelos na rua principal, que aconteceram, quando muito, quando dois sujeitos se encontravam um pouco bêbados. Os duelos eram pouco nobres, e as pessoas se matavam pelas costas sem qualquer problema! Não havia um grande fairplay naqueles tempos... Recusei-me a desenhar o Western tal como o Cinema o mostrou, e Wild Bill Está Morto é a minha versão do verdadeiro Oeste (...).

 

Este texto foi transcrito de uma longa entrevista dada pelo quadrinhista belga Hermann Huppen e publicada no número 25 (2ª série) da revista Selecções BD (Lisboa, Meribérica/Liber, novembro de 2000, p. 14)