Ano 3 - nº 10 - junho/setembro de 2011

UM WESTERN REALISTA
Juan Antonio de Blas
tradução e versão: Marco Aurélio Lucchetti



O personagem Mike S. Blueberry é fruto da imaginação do roteirista Jean-Michel Charlier e da visualzacão das suas idéias pelo desenhista Jean Giraud (Gir). Este, nascido em 1938, começou a desenhar histórias em quadrinhos por volta de 1956, apresentando um western humorístico, Frank et Jérémie. Ao regressar do serviço militar, decidiu dedicar-se ao desenho como meio de ganhar a vida. O seu primeiro trabalho profissional foi ser o arte-finalista de Joseph Gillain (Jijé) numa aventura do cowboy Jerry Spring, “La Route de Coronado” (1961). Participou da revista satírica Hara-Kiri, assinando com o pseudônimo de Moebius.
Em 1963, nas páginas do semanário Pilote, apareceu a primeira aventura de Blueberry: “Fort Navajo”. O desenho era completamente irregular e notava-se demasiadamente a influência de Jijé. A aparência de Blueberry assemelhava-se à do ator Jean-Paul Belmondo, que, na época, era o grande mito masculino do cinema francês. Charlier imaginou sua história situando-a após a Guerra de Secessão, isto é, 1865-1866. Nela assinalam-se algumas características essenciais de Blueberry: é tenente do Exército, trampolineiro, insubordinado (uma de suas maiores virtudes) e realista.
(...)
Blueberry (a série) trouxe para a História em Quadrinhos uma visão realista do Oeste. Os seus personagens não são bons integralmente nem maus de forma absoluta, mas simplesmente pessoas com personalidades bastante verossímeis. Os autores procuraram também situar a narração num contexto bastante real. Desmistificaram o herói que pode modificar as circunstâncias no irreal mundo de papel dos Quadrinhos. E principalmente fizeram do ceticismo realista do personagem principal uma característica universalmente aceita. Ficam para longe Tex, Kit Carson, Jerry Spring e outros heróis dos Quadrinhos. E, a partir das aventuras de Blueberry, surgiram histórias em quadrinhos adultas do Oeste [Comanche, realizada por Greg (texto) & Hermann (desenhos) e publicada, a partir de 1969, no semanário Tintin, é uma das mais representativas dessas histórias em quadrinhos].

 

Este texto foi traduzido do número 12 (abril de 1975) do fanzine espanhol Comics Camp Comics In