Ano 3 - nº 10 - junho/setembro de 2011

SETE HOMENS E UM DESTINO
Alves Castela



Outra vez um lugarejo perdido na imensidão desértica do México, mas que também poderia ser um povoado qualquer num país qualquer (...). Calvera, admiravelmente interpretado por Eli Wallach, submete pela violência a pequena aldeia à qual, a fim de manter a sua quadrilha de bandidos, exige tributo em valores e dinheiro. (...) Gosta de ver até que ponto a covardia pode tornar um homem num boneco; mas abate esse homem como se fosse uma serpente, logo que ele – tenha a idade que tiver – deseja ainda ser homem. Por onde passa, o bando de Calvera deixa um rastro de destruição.
Mas tudo tem um fim. Inclusive, a prepotência desse grupo de bandidos (...). E, para o fim de Calvera e sua quadrilha, irão contribuir abnegadamente sete homens cuja maior força também se assenta nas pistolas (...). São sete homens que tudo esquecem para apenas se empenharem na defesa de um povo que ignora o valor do ouro e só acredita no valor da terra (...).
E os sete terão de derrotar Calvera e seus homens, para que o futuro de tal gente possa se apresentar sem as negras nuvens da morte e da destruição. (...)
Sete Homens e Um Destino é mais um western (...) em que os tiros não têm importância alguma; o que importa, na realidade, é o motivo pelo qual são dados esses tiros. (...) É, com certeza, uma obra digna e corajosa – digna porque não é artificialmente combativa, corajosa porque denuncia a prepotência dos que ignoram a razão e impõem a sua vontade pela força das armas.
E os homens como Calvera não são difíceis de encontrar, estejam vestidos como pistoleiros do Velho Oeste ou usando ternos caríssimos...

 

Sete Homens e um Destino (The Magnificent Seven, 1960, 126')
Direção: John Sturges
Roteiro: William Roberts, baseando-se no filme japonês Os Sete Samurais (Shichinin no Samurai, 1954), de Akira Kurosawa
Música: Elmer Bernstein
Elenco: Yul Brynner, Eli Wallach, Steve McQueen, Horst Buchholz, Charles Bronson, Robert Vaughn, Brad Dexter, James Coburn, Vladimir Sokoloff, Rosenda Monteros
Disponível no Brasil em DVD
Distribuidora: Fox

 

Este texto foi transcrito do número 63 da revista Celulóide (Rio Maior, Fernando Duarte Editor, março de 1963, pp. 21-22)