Ano 3 - nº 10 - junho/setembro de 2011

OS WESTERNS DE RHONDA FLEMING
Divino Rodrigues da Silva & Kristian Erik Unonius



A gente se lembra com saudades dos tempos em que, nos anos 1950, se sentava no escuro dos cinemas e assistia a faroestes, muitos dos quais embelezados pela presença de Rhonda Fleming, uma das beldades da época. Ela era uma das figuras mais marcantes dos chamados filmes de Ação e de Aventura acima da média; e nós, fãs dos westerns, ficávamos felizes de ver a bela ruiva atuando em fitas do gênero de que mais gostávamos.
O primeiro western de Rhonda Fleming foi Rua dos Conflitos, produzido pela United Artists em 1946. Nele, ela contracenou com Randolph Scott, que viria a ser, sem dúvida, um dos dez maiores campeões de bilheteria da década de 1950. O enredo do filme tinha como tema o conflito entre rancheiros e criadores de gado, com os comerciantes favorecendo estes últimos, até se darem conta de que os rancheiros eram na verdade os melhores fregueses. Havia uma boa seqüência de briga entre Randolph Scott e Jack Lambert, e Edgar Buchanan tinha um papel cômico como um xerife pouco honrado (ele preferia mais beber a lutar). Rhonda desempenhava o segundo papel feminino mais importante do filme, dividindo com Ann Dvorak as afeições de Scott. No papel de uma briguenta dançarina e cantora de saloon, Ann Dvorak era a principal atriz do filme; e, portanto, ganhava o amor do mocinho. Ficando no final com Lloyd Bridges, Rhonda não acabou sobrando como uma perdedora de coração partido.

“Uma rua de duelos… Uma rua de valentes... Uma rua de tiroteios infernais!”
Anúncio do filme Rua dos Conflitos


Rua dos Conflitos (Abilene Town, 1946, 89')
Direção: Edwin L. Marin
Roteiro: Harold Shumate, baseando-se no romance Trail Town, de Ernest Haycox
Elenco: Randolph Scott, Ann Dvorak, Lloyd Bridges, Rhonda Fleming, Edgar Buchanan, Howard Freeman, Jack Lambert

Em seu segundo western, A Águia e o Gavião, produzido pela Paramount em 1950, Rhonda Fleming trabalhou ao lado de John Payne e Dennis O’Keefe, numa história envolvendo um oficial do Exército confederado e um espião da União que se uniam a fim de combater um plano de mexicanos, apoiados por franceses, para invadir e conquistar o Texas. Rhonda era a mulher de um bandoleiro (Fred Clark); depois, ela se apaixonava por Payne e até aparava deliberadamente uma bala destinada a  ele. No final, tudo acabava bem, com Rhonda ficando apenas ferida.
Deve ser destacado que os produtores de A Águia e o Gavião foram William H. Pine e William G. Thomas, conhecidos na Paramount como “a dupla dos dólares”, uma vez que seus filmes sempre faziam sucesso e rendiam muito dinheiro.

“A deslumbrante fotografia de James Wong Howe é a real estrela desta agradável fita de ação (...).”
Phil Hardy


A Águia e o Gavião (The Eagle and the Hawk, 1950, 104')
Direção: Lewis R. Foster
Roteiro: Lewis R. Foster & Geoffrey Homes
Fotografia: James Wong Howe
Elenco: John Payne, Rhonda Fleming, Dennis O’Keefe, Fred Clark, Thomas Gomez

Em seu terceiro western, A Mensagem dos Renegados, também feito pela Paramount, Rhonda Fleming se envolvia mais uma vez com a Guerra Civil Americana, interpretando uma agente confederada. Ela enfrentava diversos perigos, para contratar tropas irregulares no Novo México. Edmond O’Brien era um agente do Norte, decidido a atrapalhar os planos de Rhonda; e Glenn Ford, o cowboy neutro do título original, acabava se envolvendo na intriga.

“O que caracteriza esta surpreendente produção (...), que tanto êxito obteve no mundo inteiro, é a sua ação rápida e vertiginosa, capaz de absorver por completo a atenção do espectador, que nem por um momento consegue despregar os olhos da tela.
O argumento, desenrolado quase todo ao ar livre, pondo em foco homens másculos (...), dá margem a que sejam mostradas violentas lutas de vida e morte, não faltando ainda, para aumentar seu interesse, uma acentuada dose de romance.
Glenn Ford, no papel de um cowboy de cabeça quente e nervos frios, está simplesmente admirável; a encantadora Rhonda Fleming, vivendo (...) uma turbulenta garota de cabelos cor-de-fogo, subjuga a todos com os seus evidentes dotes físicos; e Edmond O’Brien, interpretando um rude e implacável agente secreto, contribui para manter bem viva a chama de entusiasmo que se apossa do público quando a história começa a ser desenrolada na tela.
Para quem gosta de ação rápida e vertiginosa, A Mensagem dos Renegados é um filme que se impõe!”
press book do filme A Mensagem dos Renegados


A Mensagem dos Renegados (The Redhead and the Cowboy, 1951, 82')
Direção: Leslie Fenton
Roteiro: Jonathan Latimer & Liam O’Brien, baseando-se numa história de Charles Marquis Warren
Elenco: Glenn Ford, Rhonda Fleming, Edmond O’Brien, Alan Reed, Morris Ankrum

A Paramount e a “a dupla dos dólares” produziram o quarto western de Rhonda Fleming: A Revolta dos Apaches, outra aventura sobre a Guerra Civil Americana. Ronald Reagan comandava um grupo de soldados confederados que dava muita dor de cabeça às tropas da União. Rhonda era sua antiga namorada. Explicando melhor: era sua namorada nos tempos em que ele residia no Leste. Ela agora estava casada com um crápula (John Ridgely), convenientemente morto pelos apaches. Com a morte do marido, Rhonda ficou livre; e sua antiga paixão por Reagan foi reavivada. O filme ainda mostrava o ataque da cidade onde estavam Rhonda e Bruce Bennett, irmão de Reagan e oficial do Exército da União. No final, galantemente, Reagan e seus homens iam em socorro de Rhonda e Bruce Bennett.

A Revolta dos Apaches (The Last Outpost, 1951, 88')
Direção: Lewis R. Foster
Roteiro: Geoffrey Homes, George Worthing Yates, Winston Miller & Loyal Griggs
Elenco: Ronald Reagan, Rhonda Fleming, Bruce Bennett, Bill Williams, Noah Berry Jr., Peter Hanson, John Ridgely

 

continua no número 17