Ano 3 - nº 10 - junho/setembro de 2011

MATAR OU MORRER
Georges Sadoul



Em 1870, o xerife Will Kane (Gary Cooper), combatendo um perigoso bandido (Ian MacDonald), vê-se só, abandonado pelos burgueses, a dona do saloon (Katy Jurado), o pastor, o juiz (Otto Kruger), a própria esposa (Grace Kelly), seu adjunto Harvey Pell (Lloyd Bridges), o antigo xerife, enfim, por toda a cidadezinha, que, no entanto, ele consegue salvar.
“Ele, o herói, está só, só contra os quatro bandidos decididos a matá-lo, e também só entre os que vai libertar. Todos deram seus motivos: o medo puro e simples de Sam Fuller e do juiz, a ambição de Harvey Pell, as convicções religiosas da esposa e do pastor, a renúncia acovardada do antigo xerife, o senso prático de um amigo.” (Jacques Doniol-Valcroze)
O filme passou, de início, despercebido na França; mas depois, graças a André Bazin, conquistou grande sucesso. Sem dúvida, superestimou-se então este western “intelectual”. (...) A caça às bruxas em Hollywood atingira então seu auge; e alguns viram uma descrição metafórica disso na investigação desesperadora de Kane, “um homem caminhando em meio à traição” (Jacques Doniol-Valcroze), na covardia dos cidadãos de bem, na canção lancinante de Dimitri Tiomkin: “Quando Até Você me Abandona...”

 

Matar ou Morrer (High Noon, 1952, 85')
Produção: Stanley Kramer

Direção: Fred Zinnemann
Roteiro: Carl Foreman, baseando-se vagamente na história “The Tin Star”, de John W. Cunningham
Música: Dimitri Tiomkin
Elenco: Gary Cooper, Thomas Mitchell, Lloyd Bridges, Katy Jurado, Grace Kelly, Otto Kruger, Lon Chaney Jr., Ian MacDonald, Henry Morgan, Eve McVeagh, Morgan Farley, Harry Shannon, Lee Van Cleef
Disponível no Brasil em DVD
Distribuidora: Continental

 

Este texto foi transcrito do livro Dicionário de Filmes (Dicctionaire des Films, tradução de Marcos Santarrita & Alda Porto, Porto Alegre, L&PM, inverno de 1993, p. 244), de Georges Sadoul